quarta-feira, 27 de abril de 2011

O primeiro mês a gente nunca esquece - Parte 1

Preparação para o primeiro mês
Amigo, é chegada a hora do alistamento familiar obrigatório (AFO). Não adianta nem tentar ser fominha e resolver o jogo sozinho porque com duas crianças recém-nascidas chegando em casa, você vai precisar de, no mínimo, mais duas pessoas com você. E aí, meu caro, é hora de chamar vovô, vovó, titia e quem mais estiver escapado da hora do Brasil neste momento. Os dias hoje não estão fáceis e você vai ver que não é tão simples assim. Ainda mais depois do surgimento do Viagra, o que pode fazer com que o vovô se mostre um tanto arredio em passar um mês trancafiado com os netinhos e o que sobra dos pais. Em nosso caso conseguimos arregimentar minha mãe e o pai de minha mulher, já que meu pai e a mãe dela já estão nos braços de Icu. Duas figuraças, que moram de frente pra praia e vivem de renda, ou seja, recrutas em potencial. Vovô ficaria por três meses e vovó foi seria dispensada a beira da loucura com um mês. 

Parceiro, o primeiro mês é sinistro. Você não sabe de nada, mesmo achando que leu e está preparado pra tudo. Eu tenho um exemplo que é ótimo. Vocês já viram o “Resgate do Soldado Ryan”? Pois é. O primeiro mês de vida dos gêmeos é parecido com os primeiros 20 minutos do filme onde você não consegue nem respirar. Enquanto os soldados vão desembarcando na Normandia você vai embarcando na banheira com um medo da porra de cair água no ouvido ou deixar seu filho escorregar. Treinar com uma boneca que não se mexe, não chora e não está ensaboada, como você fez naquele cursinho durante dois sábados pela manhã, feliz da vida, não ajuda muito. Os vídeos no youtube são ótimos, mas desconfio que as crianças utilizadas estejam dopadas com, sei lá, um concentrado de maracujá com camomila ou algo parecido. Na dúvida e no medo, o negócio é passar uma água rapidinho porque ainda tem mais um. Criança nessa idade nem se suja muito...rsrsrsrsr

Sua mulher está toda avariada, deitada, enfaixada, com pontos na barriga e com dores. Qualquer soldadinho ferido daquele exército americano é fichinha. Queria ver um deles nesta situação periclitante ainda tendo que ficar com duas crianças mamando ao mesmo tempo no peito. Ah, o peito, esse é um capítulo à parte...

Nos idos de sua juventude minha esposa ia na contramão do silicone. Agraciada com uma comissão de frente avantajada, era necessário dispensar alguns de seus componentes para que a harmonia da escola fosse preservada. E enquanto todas as amiguinhas queriam mais, ela entrava na faca pra diminuir seus seios. Antes que você pergunte “o quê o Cappelli tá querendo com isso”? Eu respondo logo: uma operação destas pode dificultar muito a amamentação. Como vocês podem imaginar, ficamos especialistas nas explicações: a operação afeta os ductos mamários, que são responsáveis pelo transporte do leite até o bico. A operação pode, dependendo do médico ou açougueiro, cortá-los ou preservá-los. Depois de alguma tensão para saber se ela conseguiria amamentar ou não, ficamos aliviados com o aparecimento do colostro após o nascimento, já era um bom sinal. No caso dela, foram preservados alguns destes ductos, o que permitia a amamentação ainda que o leite não jorrasse. 

Mas o leite é só um detalhe, parceiro, tem a tal da pega, o jeito que a criança vai agarrar no bico. Aí é que a jiripoca pia. Se pegar errado o bico do peito vai pro beleleu. E foi o que aconteceu. Aí, meu caro, senta e chora comigo: as crianças em prantos porque querem mamar, com fome,  sua mulher nervosa e operada sem poder fazer nada, com o peito rachado e sangrando de tanto insistir, você desesperado sem saber o que fazer, os avós vindo com suas teorias mirabolantes do estilo “no meu tempo era assim” e uma confusão danada formada. Some-se isso ao cansaço e ao sono e o dia “D” da segunda guerra vai parecer um feriado. 

A nossa salvação foi conhecer o banco de leite do Instituto Fernandes Figueira, da FIOCRUZ. Lá tivemos todas as orientações possíveis e imagináveis, com muitas dicas e toques que nos deixaram aliviados. E o melhor: tudo de graça! Não titubeiem: se tiverem algum problema com isso corram pra lá que tudo será resolvido, 0800 e com selo de qualidade da FIOCRUZ. Saímos de lá com uma receita simples: a natureza cuida de tudo. Pro bico rachado, era só passar o próprio leite e pegar sol, o corpo fornece a cura. Se sua mulher entope o bico com coisas à base de Lanolina fique atento. Fizemos isso durante todos os meses e não adiantou nada. Já o sol com leite materno em dois dias já tava bem melhor.

Agora, diz aí: onde se pega sol com os peitos de fora morando em um prédio sem que ninguém veja? Rsrsrsr Minha mulher me respondeu: acordei 7 da manhã e lá estava ela, toda lanternada, deitada no chão da varanda pegando o solzinho da manhã, torcendo pra não ser devassada. Dizem também que pode deixar o bico perto de uma lâmpada, mas ela nunca faria isso: “o Sol é muito mais forte”. 

Foi lá no Fernandes Figueira que vivemos um cena hilária. Mas acabo de ver que a mensagem tá gigante, então conto mais tarde na continuação...

12 comentários:

  1. hahahaha vc é definitivamente d+ p contar o ''nosso'' dia a dia, faz tudo ficar mais leve e engraçado! eu tbm sofri muuuito com o meu primeiro filho no quesito amamentação o meu bico descolou da aoréola, ficava dependurado situação feia, e tenssa!!! ja na segunda gestação eu passei os 9 meses fazendo tudo que me falavam, os vizinhos??? me conhecem de cabo a rabo hahahahaha.graças a Deus a amamentação da Elisa foi show! ja essa gestação não to fazendo absolutamente nada! estili zeca pagodinho...deixo a vida me levar, oq tiver de ser será!!!
    bj nos babys!!!

    ResponderExcluir
  2. Cappelli, estou pensando seriamente em recomendar o seu blog para todo ser nessa face de terra que pretende procriar. Você descreve sem romantismo, mostra a realidade nua, crua...e com um senso de humor maravilhoso. Que bom passar por aqui! Seu blog já está nos meus favoritos. Vou encher o saco sempre que for possível. Bjo na turma! Jê

    ResponderExcluir
  3. Gosto do teu senso de humor! Nao sou pai de gêmeos, mas o meu único rebento nao foi fácil de lidar na infância e olhe que eu fui pai solidário (troquei frauda, dei banho, atravessei noite acordando enquanto a "madame" descansava, fiz o que podia, leia, do que não consegui fugir). De qualquer forma, ao ler as tuas crônicas, tenho dado boas gargalhadas - talvez com saudades de um tempo que nunca mais repetirei (o meu "anjinho" já tem 18 anos!)

    ResponderExcluir
  4. Ana, parei de ler seu comentário em "meu bico descolou..." Deus que me livre!!! Como diz meu avô, desconjuro. E eu falando de uma rachadurinha de nada...rsrsrs

    Jemima, assim fico ruborizado rsrsrsrs Esteja sempre aqui porque o saco é sem fundo rsrsr

    Raul, no meu caso colaborar não é opcional, ainda que tente dar um jeito de me livrar de certas tarefas. Estivéssemos 18 anos atrás, te daria uma dica: é só dizer que ela não consegue cuidar da criança sem você. Pronto, seu tempo acaba de triplicar rsrsrsrsr

    Abraços e valeu pelos comentários!

    ResponderExcluir
  5. Você é d+ queria ter seu senso de humor, tambem vou ser mamãe de gemeos, e tenho cada pesadelo rsrsrs, e estou aprendendo tanto com vc neste blog meu caro!! Estou te seguindo

    ResponderExcluir
  6. É, realmente estava faltando alguém do sexo masculino pra descrever o dia-a-dia de pais de gêmeos sem aquele sentimentalismo digno das mulheres.
    Adoooro seus posts e me vejo em todos eles! Aliás, seu senso de humor é algo, né? Do tipo: tem que rir pra não chorar...
    Grande abraço,
    Camila.

    ResponderExcluir
  7. acho que as rotinas são iguais pra todos!!!!!!!!!!!!apesar de eu nao conseguir escrever com o teu senso de humor, temos o humor parecido aqui em casa hehe...é muito trabalho e diversão. bjs

    www.maedemeninosgemeos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Camyla (vamos ser mamãe???), não te preocupes. Dê graças a deus porque seus pesadelos estão acontecendo, sinal de que você ainda está dormindo rsrsrs

    Camila, as mulheres tem 3 comentários sobre todas as crianças: que fofo, que lindo e que vontade de apertar rsrsrsr. Mas se pegássemos o balãozinho de seus pensamentos, o blog seria fichinha rsrsrsrs

    Patrícia, discordo sobre as rotinas serem iguais pra todos. Duvido que a Fernanda Lima tenha metade das nossas preocupações com aquele time de babás. Agora, se você estiver falando da rotina dos assalariados, aí tá tranquilo rsrsr

    ResponderExcluir
  9. Nossa adorei teu blog, o senso de humor pra contar a aventura de ser pai de gemeos muito bom, sempre estarei aqui....

    Beijos otimo fds

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Adorei o blog, achei super divertido (e real!!)
    Vou continuar acompanhando, com certeza!!
    Um grande abraço
    Grace
    www.vidadequilibrista.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. vou dar mais uma dica aqui se me permite...rsrs... para pegar sol no apto sem ninguém ver é só colocar uma blusa bem florida, estampada, o q for e cortar em torno do mamilo... e seja feliz na janela... kkk... de longe ninguém percebe q não é da estampa da blusa, pelo menos vc jura e acredita q ninguém está percebendo.

    ResponderExcluir