quinta-feira, 9 de junho de 2011

O Silêncio dos Inocentes

Eu tenho quase certeza que nenhum homem lê o que se escreve aqui. Não só aqui, mas em qualquer outro blog que verse sobre este tema. Digo isso tendo em vista que acompanho diversos blogs e nunca - eu disse nunca sem nenhum medo das generalizações- vi um comentário que tivesse testosterona nas suas linhas. E eu, que não sou bobo nem nada, que não remo contra a maré e não dou murro em ponta de faca, percebi então que este é um universo que se desenvolve segundo uma lógica diferenciada, sob um olhar materno que, por mais que me esforce, nunca vou conseguir ter já que, infelizmente, meu peito não dá leite.

(o fato do leite merece um parêntesis. Acho isso uma tremenda sacanagem do Criador. Devia constar em algum lugar dos livros sagrados que a benção dos céus daria ao pai de gêmeos a graça de produzir o mais puro leite, evitando assim os arranca-rabos pela exclusividade ou mesmo facilitando a vida na hora de dormir)

Então, amiga, como nova estratégia de inserção no mundo das mamães blogueiras, eu agora sou ela e me chamo Odete Marcondes Sá.

Não sei vocês, mas tenho a sorte de ter um marido maravilhoso, atencioso, carinhoso, inteligente e que me ajuda em todas as tarefas da casa. Sempre que me vê cansada me manda deitar e relaxar e logo chega com uns biscoitinhos. Está sempre de olho nas crianças e faz questão de trocar todas as fraldas sempre que está em casa. Mas agora estamos um pouco ansiosos: as crianças se recusam a falar!

Esses danadinhos já entendem absolutamente tudo que dizemos, já obedecem todas as ordens, já sabem o nome de todos os objetos e quando estamos dando bronca ou coisa parecida. Algum tempo atrás achei que eles logo desandariam a falar porque com 11 meses já andavam e balbuciavam algo como mamã ou coisas do gênero. Amiga, é claro que você precisa me dar um desconto, sabe como é. Mãe é assim, nosso filhote fala uma coisa que achamos ser aquilo que nem ele sabe que está querenedo dizer. Ele fala "pido" e nós imdeiatamente saímos às ruas gritando "meu filho já fala paralelepípedoooooooooooo".  O maridão, chato de galocha, fica dizendo que é viagem nossa, que eu tô angustiada e fico projetando coisas que não são verdadeiras, mas ele que não sabe de nada, nosso instinto nunca falha. Aposto que o Chico Buarque só conseguiu rimar paralelepípedo na sua música porque falava "pido" quando criança. Aposto.

Mas o fato é que eles ainda não falam. Pois é, nadica de nada. Os sons lá em casa são de riso, choro, peido, "dá" e gritos. Quando querem me chamar choram. Quando querem chamar o pai dão um gritinho seco "áá". Quando querem alguma coisa, apontam com o dedo e ficam "dã, dã". Os conselhos já foram inúmeros e colocamos eles todos em prática, diariamente. Quando apontam alguma coisa, estimulamos a falarem o nome do que querem sem dar o objeto de primeira, com facilidade. Tudo que pegam falamos o nome. Passo o dia inteiro falando mamãe e quando o Pai chega tem seu período de convencimento de "fala PA - PAI....PA-PAI....PA-PAI" e nada. De vez em quando ele ameaça dizendo que vai cortar o leite ou a cabeça do Backyardigan, mas nada parece adiantar.

Falamos com a pediatra e ela disse que não há motivos pra preocupação e que com gêmeos pode até demorar um pouco mais porque eles, sem querer, atrapalham um ao outro. Miga, como assim? Fiquei encafifada e quis saber porquê. Ela disse que como eles se comunicam com uma linguagem, ou melhor, dialeto próprio e se entendem muito bem, fica certa "preguiça" em falar outras coisas. Outras pessoas dizem que a criança só solta a língua mesmo com dois anos. E outras que quando for pra creche aí é que vai deslanchar mesmo.

É claro que surgem também as simpatias e os casos de família. Nessa hora todo mundo aparece com uma solução. Minha sogra linda, mãe do meu marido idem, disse que meu cunhado, irmão do meio de meu amor, não falava nem pelo car...por nada nesse mundo. Então falaram pra ela que a única solução era dar banho com a primeira chuva do ano que a fatura estaria liquidada, era batata. A sogrona então encheu um balde com a primeira água de janeiro e encharcou o menino, obrigando-o a beber e fazer um gargarejo, só pra garantir. Amiga, e não é que ele desandou a falar e hoje é político? Isso sem falar nos discursos de 4 horas que ele fazia em cima de trios-elétricos mambembes na época do movimento estudantil e tendo que por muitas vezes desviar dos vários objetos arremessados, sem parar de falar! Coisa de dar inveja ao Fidel Castro. Mas pra gente isso já não serve. Além  de janeiro estar muito longe o estoque nas casas de macumba já foram utilizados. E com esse frio, até pra tapear fica difícil...

Aí vem aqui em casa minha vózinha que mora lá em Miracema. Fica sabendo que as crianças ainda não falam e diz que meu irmão também não falava e que lá eles resolveram isso colocando um pinto na boca dele. Isso mesmo, pegaram um pintinho e colocaram na boca dele e ele saiu falando. Já imaginaram? Meu marido, é claro, pirou de rir e ligou imediatamente pro meu irmão pra dizer que ia colocar isso em todas as redes sociais do mundo, que ele só abriu a boca quando ofereceram um pinto. Aí ele ficava no telefone: "tira o pinto da boca que não tô te entendendo!" Sabe como é homem com homem, infantil de dar enjôo, isso sem falar no machismo. Mandei ele parar que isso era bullying e que ele podia ser preso e meu irmão ter sérios problemas psicológicos. Ainda que a vontade deles falarem seja imensa, acho que um pinto na boca não vai rolar. Se alguém descobre isso vocês podem imaginar os apelidos e insinuações, Deus me livre guarde.

E assim estamos, todo dia na contagem regressiva pra escutar a primeira palavra que teima em não vir. Vou confessar uma coisa aqui pra vocês. Eu sou capaz de suportar tudo nessa vida: Zorra Total, Ratinho, Restart e outras coisas, mas se eles falarem Papai primeiro eu me jogo daqui, ah se me jogo...

7 comentários:

  1. Miga foi ótimo, uahuahau Adorei seu lado mãe rs
    Querido relaxa quanto a fala, pois depois q começam não param mais. aproveita rsr
    Miguel só falou mesmo quando fez 2 anos, com 2 anos e 4 meses, pronto ja falava tudo e mais um pouco...
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Heheheh, adorei a Odete, mas pode ter certeza que esse blog é especial porque é escrito por um papai!
    Mas com criança é isso mesmo, temos que relaxar porque podemos ir a loucura! O negócio é estimular a eles falarem,... uma hora sai! Ah, e quando ouvirem papai, ou mamãe,.... a gente morre,... ou melhor, vive de felicidade!

    ResponderExcluir
  3. Renata, fica tranquila que ele não me deixa escrever em paz e vive dando seus pitacos!

    Marina, é mesmo? Miga, não sei se aguento tanto tempo rsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Ai, Miga,
    gosto maisqdo é o pai que escreve!!!
    Mas adorei a história do pinto!!1
    E fica tranquilo q eles nao vão ser mudos, não...ansiedade da gente só atrapalha...eheheh
    beijosss
    vidadequilibrista.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. uhuaahuahhuahua... morryyyyy de rir!!! Mas sabe que o diferencial é justamente esse?! A visão paterna do que vivemos. Acho que pode ser que algumas mães se intimidem um pouco em postar aqui... ou não?! Anyway, acho o máximo e vivo pedindo pra maridão escrever tb!

    Qto a 'fala'... qual idade deles?! Pq meu Pedro (um dos gêmeos)só abriu a boca com quase 3 anos e de lá pra cá (4a e 5m) não parou! é um papagio, tagarela, articulado e manipulador! rs... aguarde!

    Bjkas p/ família!

    ResponderExcluir
  6. A história do pinto é impagável! E a sacanagem feita, idem!!!

    Meu filho falou mesmo depois que foi pra creche. Com 1 ano e 2 meses falava pouco, 2 a 3 meses de creche e ele falava pelos cotovelos. Fala até hoje! Assistir a um filme com ele do lado é um parto; isso quando eu não parto dali ou não parto com a mão na boca dele... (brincadeirinha!)

    Mas assim q o coloquei na creche, percebi de imediato a diferença na comunicação das crianças que já estavam lá há algum tempo e na do meu filho que chegava... nem se compara!

    Mas fica tranquilo, cada um tem o seu tempo.
    Abração!

    ResponderExcluir