quinta-feira, 19 de maio de 2011

Propaganda Gratuita


Pra quem não me conhecia...

Amigo, tenho percebido certas coisas neste inicio de percurso no mundo das mamães blogueiras que vou compartilhar com vocês, afinal, o blog não faz nada além disso rsrsr. Deixemos de lado as crianças e vamos falar daqueles que escrevem sobre elas, uma vez que quando escrevemos fazemos isso para os nossos pares e não para seus filhos. Todo mundo que escreve, papai - mamãe bolgueira (olha a maldade...) busca ressonância das suas ideias, comentários que o façam parecer normal diante de tantos pensamentos estranhos e passageiros que habitam a cabeça do ser humano quando ele passa por uma situação extrema ou de dificuldade. Afinal, estamos em um momento onde a sua individualidade "eu sou o centro do mundo", o sexo quando dá vontade, o samba até o sol raiar, a praia até ele se pôr e todos os demais desdobramentos Zeca Pagodianos do "deixa a vida me levar" são página virada a partir do primeiro choro. Isso, é claro, pra quem não conta com um time de babás e tem dinheiro aplicado nas Ilhas Virgens Britânicas. Muitos estão doidos pra que isso aconteça logo (nasci pra ser mãe), outros vão se adaptar com o tempo (Darwinistas) e alguns vão viver em crise diariamente (#euquerominhavidadevolta). Seja qual for o desenrolar da sua história, cabe um blog .

Isso vem de minha formação acadêmica como historiador que só fez matérias na sociologia e só compra livros de antropologia. Sempre acho que consigo perceber certas nuances em determinadas situações do cotidiano que escapam aos outros olhares, atitude típica de intelectual metido a besta que se acha, que vê significado em tudo, que analisa qualquer gesto ou palavra, ou então de um ariano prepotente e egocêntrico. No no meu caso, os dois.

E a bem pouco tempo comecei a seguir alguns blogs que achei interessantes, levando sempre em conta não o tema deles, mas a abordagem e a forma de escrever. Todos os pais estão carecas de saber quais são as situações pelas quais cada um passa diante de um bebê. Grande parte dos cometários sobre o que escrevemos são aqueles "nooossa passei por isso também", seguido de um alívio imediato após leve taquecardia de lembranças daquela época. Ou então "faz isso que ajuda: junta uma folha de romã com três de hortelã, macera na água com mel, deixa em infusão por 37 minutos e depois dá ao seu bebê que ajuda na hora de dormir". Aí, meu amigo, quando terminar de fazer a criança já dormiu e eu já tô jogando Velho Barreiro neste caldeirão que deve ficar bem melhor. Tem também o comentário "ai que fofo, ai que lindo, como cresceu, quero apertar" que existe só pra mostrar que a pessoa leu, ou pelo menos viu a foto rsrsrs. Normalmente é um parente ou amigo próximo que não quer ficar mal na fita.

Não sei se vocês concordam com meu raciocínio, tomara que não, mas o que interessa neste tipo de blog é o que acontece na vida, e não com as crianças. Ou alguém aqui vê House preocupado com os procedimentos e exames médicos? O que nós queremos são as nuances do relacionamento, os problemas com o trabalho, como você se virou, quais foram as situações trágicas que viraram cômicas e, principalmente, um texto prazeiroso, sincero e sem abreviações. Um blog voltado somente para as crianças tem data pra acabar porque, algum dia, seu filho vai ler isso e, pra figir do mico, vai deletar tudo. No máximo salvar em algum lugar e esconder pra te chantagear. Ou alguém aqui conhece um blog que fale do "meu garotão de 18 anos" ou "Minha princesa de 19 primaveras" ?

Já que não tenho medo de perder seguidores (já amarrei com uma fita preta mergulhada no dendê todos estes rostos aqui da esquerda) e meu patrocínio master de R$25.000.000,00 não corre o risco de melar, vou falar rapidamente de dois. Ah, vizinhos de útero não conta, é hors concours (ó a moral, hein Jemima rsrsrs). Tem o da Carol Passuelo que prima pela simplicidade. Nos seus últimos textos fica claro a vontade que ela está de dormir e, se possível, bêbada rsrsr. Foi feito até um questionário pra saber como é o sono dos outros bebês, que ela deve ter feito com o intuito de descobrir uma fórmula sinistra que dê certo, ou que aponte os erros que porventura ela cometa na hora de dormir no afã de encontrar a resposta para a pergunta "não vou dormir nunca mais???" Bem, enquanto ela estiver procurando esta resposta estará bem rsrsrsr. Como mãe de gêmeos, consigo captar seu grito de "traz a saideira!" engasgado na garganta. E é isso que é bom no blog, a realidade.

Outro que conheci a pouco foi o Super Duper, da Anne. É o mais parecido com este que vos fala, finalmente uma mulher que chuta o balde e conta o que está pensando com pragmatismo e objetividade, sem muita preocupação com os cuti-cutis da maternidade. E, novamente, manda muito bem na escrita e não economiza no tamanho dos textos, o que gosto. O Blog não é twitter e muito menos um msn onde é a rapidez da informação que vale. Seu último texto foi hilário, sobre suas descobertas e devaneios enquanto aguardava na privada um teste de gravidez. Uma imagem idealizada e carregada de glamour em todas as sociedades existentes, tratada como ela é, não sem antes realizar duras críticas ao fabricante do teste por não colocar sinais claros para dizer positivo ou negativo. Depois do positivo, ela derrapou e colocou textos antigos para o novo filho. Será que é a mesma coisa? Sei não...

Enfim, perceberam a estratégia? Não? Não falei que os mortais não percebem o que os intelectuais abalizados percebem? rsrsrsrsrs. É melhor eu abrir o leque aqui do blog porque, como não pretendo ter mais filhos mas pretendo continuar escrevendo, chegará a hora em que eles vão para de me sustentar rsrsrs.

Ou então, como muitos fazem, vou começar a falar dos significados da baba no bebê, ler o futuro na borra de cocô na fralda e, por fim, a interpretação do peido como forma de comunicação do intestino.

Ih, faltou o "ao quadrado". Não falta mais...

13 comentários:

  1. Cappelli, muito obrigada pela parte que me toca. Eita que vou precisar de uma agulhada agora. Alguém me espeta por favor!! Obrigada mesmo. Faço questão de divulgar no twitter e face again, pq seus textos sempre valem uma boa reflexão...e se ninguem refletir, ao menos a diversão está garantida. Obrigada pela parceria virtual. É tão difícil encontrar vida inteligente nesse mundo maluco, que quando encontro, viro um encosto...rs Cuidado hein! Bjo duplo para os seus filhos fofos e lembranças a Dona da pensão. Jemima.

    ResponderExcluir
  2. Putz, adorei o post! Concordo com tudo, tudo e sou fã dessas blogueiras todas que vc citou. Concordo com os elogios e com o seu pontos de vista sobre os blogs, parabéns!
    Bjos,
    Camila
    http://www.mamaetaocupada.com.br

    ResponderExcluir
  3. hahaha
    estou começando a gostar daqui!
    não vais perder seguidores, nesse passo vai ganhar o melhor tipo.
    os que lêem (são precisosos estes)
    obrigada pela aparição!
    bjo

    ResponderExcluir
  4. Jemima, fica tranquila que como bom macumbeiro eu tiro um encosto de letra! rsrsrs

    Camila, quando discordar vem descendo o sarrafo!

    Anne, difícil mas consegui te arrastar até aqui rsrsrs. Anuncio que em breve teremos embates de ideias a ponto de deixar um prolixo com inveja rsrsrs

    ResponderExcluir
  5. muito bom!
    adorei o blog das meninas tb. Como nunca fui boa com esse lance de escrever me identifico horrores quando leio exatamente aquilo q senti e não soube descrever... bom mesmo.
    este blog é de uma amiga (mãe) que acabou de lança-lo como livro, ela num fala só de filho, mais acho q vc vai curtir, e como o dela só tem 3 anos, é assunto cativo.
    beijo ao quadrado querido

    ResponderExcluir
  6. vixi num consigo colar o endereço do blog... vou te mandar pelo face
    bj

    ResponderExcluir
  7. é, capelli... vc sabe mesmo o q dizer! Novata nesse mundo blogueiro, convido vc pra comentar minha vida tb, rs. http://eutbtenho1blog.blogspot.com/
    A vida de mãe glamourizada pelo povo q tem dindin aplicado em todos os lugares do mundo menos no Brasil não tem nada a ver com a nossa.
    Todas as vezes que uma mãe de primeira viagem chega perto de mim dizendo: "É maravilhoso, né?", eu falo: "É, mas vc tem um tempinho? Então, senta que lá vem a história..." E foi assim q eu quase convenci (sem querer, é claro!) minha amiga de infância a adiar a gravidez, que minha prima entrou em prantos (já grávida) na minha frente e as minhas amigas do trampo se refestelam por ainda não terem chegado lá!! Digo a verdade, nua e crua, de como a gente quer tiar 6 meses de licença maternidade, mas no final do primeiro mes bem que um trampo de meio expediente ia cair bem (só pra não ouvir choro e ficar umas horinhas sem trocar a fralda)...
    Ainda vou colocar todas as minhas teorias nos posts e dizer, uma por uma, todas as maravilhas e agruras da maternidade... um dia eu consigo!

    ResponderExcluir
  8. Divertidissimo o seu blog.
    Adorei.
    Obrigada eu precisava descontrair, afinal aqui em casa são 5 homens e só 2 mulheres...estou perdendo feio a padara.
    Abraços...

    ResponderExcluir
  9. Oi Capelli!
    Obrigada pela propaganda!!
    E sim, queria dormir bêbada e sem hora para acordar!
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Adoro o blog da Jemima por tudo que ela nos mostra em relação ao nosso universo gemelar, mas sou fã demais da Anne, da Carol e da Camila. São realmente meus blogs preferidos! Quando eu crescer quero saber escrever que nem elas!
    Beijos
    Gabi

    ResponderExcluir
  11. Ops! Esqueci de te elogiar também! Teu blog é o máximo! Já ganha pontos comigo um pai escrever sobre os filhos, acho demais! Meu marido nem passa perto do meu blog...

    ResponderExcluir
  12. Fala, Marina! Se você gostou do texto é seu, já diziam os poetas.

    Paula, pelo comentário já vi que seus textos serão enormes rsrsrs

    Kátia, deve ser muito triste perder a paDara, seja lá o que isso for rsrsr. Pode chegar!

    Carol, Salve Heleninha Roitman e a Turma do Funil!

    Gabi, eu duvido que seu marido não olhe. Com certeza ele lê e sente orgulho. E quando não lê é porque está ocupado pensando no futuro da família rsrsrs. Aqui todo homem tem razão! rsrsr
    Valeu pelo elogio!

    Abraços!

    ResponderExcluir