terça-feira, 27 de março de 2012

Riponga X Modernosa

Dando um rolé por aí, vi lá no Mamatraca, site sangue bom da blogosfera materna, que tinha um texto falando das mães ripongas e das mais modernas. Como lá é um espaço sério, creio que não cabia uma avaliação mais real dos fatos, tendo em vista que alguma mãe se sentindo atacada poderia acionar os “anonymous” e acabar com a brincadeira. Imagina a cena: você clica no vídeo e tá a Carol Passuelo mostrando como surgiu o nome do seu blog. Aí aparece ela tomando um sangue de boi, o Cabernet Sauvignon da periferia, numa roda com amigos compartilhando uma perninha de grilo e dizendo: “vinhos e viagens, não preciso de mais nada”. Ou então outro, contando a verdade sobre a Anne, dizendo que ela teve mais um filho só porque estava ficando sem assunto? É o que eu digo, maluco: hoje, quem tem CpU, tem medo.
Mas eu, bicho solto e comprometido exclusivamente com a realidade dos fatos, traçarei aqui o verdadeiro perfil destas mães, um raio-x, melhor, um ultra-som da personalidade destas que, em lados opostos, comportam-se muitas vezes como israelenses e palestinos. Eis o perfil das ripongas e das modernosas, por eixo temático.
Vamos ter um filho?
A Riponga reflete. Pensa nos descaminhos do mundo, em Hiroshima e Nagasaki, no desmatamento da Amazônia e chega a pensar que seria mais uma pessoa pra sobrecarregar a já tão extenuada Mãe Gaya. Como ela tem sempre o “ou não”, acredita que tal como as estações, ela também deve seguir o rumo natural das coisas, gestando um filho como a terra gera um fruto, criando o rebento para no futuro se alistar no Greenpeace.
A modernosa faz conta. De quanto isso vai custar, de quando teria que tirar férias, de quantos parentes teria que recrutar e como isso iria abalar sua rotina. Liga pras suas amigas e recebe um “tá louca?” quando pede uma opinião. Após fazer uma planilha no Excel com tudo incluído até a festa de 15 anos ela reluta. Aí consulta sua carteira de identidade e vê que pela data de nascimento já tá com 35. Entra na internet e já olha as lojinhas de Miami.
Como vai nascer?
A riponga dá um rodopio de braços abertos, fecha os olhos e já imagina a cena claramente na sua frente. Ela no meio da mata, com todos os bichos e parentes em volta, o sol nascendo e os pássaros cantando. Ela se agarra a um jequitibá centenário assim que sente as primeiras contrações, pedindo força aos elementos da natureza. Ao lado, uma pequena piscina de água da cachoeira, onde ela trará ao mundo sua cria, pra que ele não sinta tanto a mudança de ambiente. (Isso sempre me intrigou. As mães que tem o filho em banheiras sob o argumento de que é melhor fazer esta transição. Uma hora eles terão que sair da água, não? Ou ao invés de um berço vão comprar um aquário???) A criança nasce e ela se sente como o macaquinho macumbeiro Rafiki do Rei Leão: levanta com os braços e apresenta como o mais novo ser do ecossistema.
A modernosa já leu tudo sobre cesariana e já orçou as possíveis cirurgias reparadoras, inclusive com o tempo necessário no SPA pra se livrar do peso a mais e do estresse. Pensa em inclusive sugerir uma dose extra de peridural, porque tem pavor de sentir alguma dor. Imagina uma sala extremamente equipada, com profissionais que trabalharam com celebridades e que saem na revista Caras. Seu sonho mesmo é que tudo fosse comandado pelo House. Pede pra sua mãe que está em um cruzeiro pela Europa para trazer lembrancinhas e, se possível, a Galinha Pintadinha cantando em inglês, The Chicken Painted. Começa pedir as amigas indicações sobre alguma Doula, que já possa acompanhá-la desde agora.

Tá ficando enorme rsrsr. Essa semana continuo... O Suspense faz parte.

14 comentários:

  1. ...só você Cappelli!!!

    continuo rindo e esperando o final do conto...

    abraço

    ResponderExcluir
  2. esperando...agora, tem outros tipos por aí...rs bjo!

    ResponderExcluir
  3. AS lojinhas de Miami estão felizes da vida com as mamis brasileiras.... ;0

    ResponderExcluir
  4. Meu caro, seja sincero comigo.. estou perguntando a alguns pais e mães de gêmeos... rsrsrsrs

    Quando você acha que dá pra gente que tem gêmeos ficar totalmente sem babá?? No meu caso, não trabalho fora.

    Com 2 aninhos dá? Com 3 será?

    kkk

    ResponderExcluir
  5. Ela, farei um post de sua pergunta, na minha mais nova coluna no site, pode ser?

    ResponderExcluir
  6. They have every single actor - singer- musician in SORAPPE- SAPOP.
    And these are the people that are going to end the BRITISH MONARCHY with CHUMATO- CHOMME.
    So, you had better confess with LES.
    And you better confess with JESS.
    cause they got the AGISHE- TOOMITZA - ENDMITU .
    And that means YOU!
    That means YOU!
    That means YOU!

    ResponderExcluir
  7. Para constar, um dos motivos da banheira é que alivia a dor das contrações, acho que mais do que aliviar a transição do bebê. Funciona!

    ResponderExcluir
  8. Capelli você me faz rir..... E muito....
    Quero saber o fim do conto, mas vc já está quase um mês sem escrevê-lo assim não dá, pô...

    Abraço
    Carol

    ResponderExcluir
  9. opa (:
    faz um tempo que fiquei de passar aqui e te mandar o endereço de um cara que tb escreve sobre os filhos.
    se tu ja tiver em teus contatos blz, se não está aqui
    http://ostrigemeos.blogspot.com.br/ pra tu dar uma conferida!
    até

    ResponderExcluir
  10. Excelente site! Só a título de curiosidade há um agregador de conteúdos chamado Agrega Pais, que é voltado para família, uma ótima forma de divulgar seu site para este público bem específico.
    http://agregapais.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Vocês tiveram ou tem babá?

    http://emgeral.com/2012/05/23/filhos-gemeos-quem-precisa-de-baba-ou-mae-de-gemeos-x-baba-um-relacionamento-necessario/

    ResponderExcluir
  12. VOCÊ É ÓTIMO , MAS DEMORA PRA ESCREVER DE NOVO !!!! MIMIMI...

    ResponderExcluir
  13. Olá Capelli,

    Meu nome é Ana Carolina, sou estudante de mestrado em Saúde Pública, na Faculdade de Saúde Pública da USP. Junto com o grupo de pesquisa do qual participo, estamos realizando uma pesquisa sobre a experiência e perspectiva de mães, pais e profissionais sobre os riscos/desvantagens e benefícios/vantagens da assistência ao parto.

    Eu conheci seu blog, e por isso, gostaria de convidá-lo a participar da pesquisa. Meu mestrado, especificamente, trata da experiência dos pais como acompanhantes. Minha colega Bianca Zorzam está investigando a experiência das mulheres.

    É possível participar via Skype ou por email.

    Seria possível pedir-lhe que nos desse seu apoio de divulgação, compartilhando a pesquisa em seu blog, e convidando especialmente os pais a participarem? Muito obrigada.

    Agradeço muito pela atenção,
    Ana Carolina Franzon

    Mais informações: escolhasnoparto@gmail.com

    ResponderExcluir
  14. Acabei de conhece-lo e estou amando seu blog!! Uma das vantagens de ser homem na blogosfera da maternidade é essa: poder falar o que quiser, exagerar, e ainda assim causar risas ao invés de julgamentos!! Mto bom seus textos!

    ResponderExcluir